Dicas de Viagem: Lima - Peru

outro
Pense em um lugar maravilhoso, aonde você se perguntará várias vezes o que fez de importante nessa vida a não ser passar uma fase difícil do Candy Crush. 

É nesse lugar que seus pensamentos vão te assustar. Que você vai se admirar com cada pedra que foi calculadamente instalada nesse local. E como foi instalada? Essa e muitas outras perguntas vão surgir ao longo do passeio por Machu Picchu.

Mas primeiro, vamos ao início da viagem... Lima


Saímos de Belo Horizonte (escala em São Paulo) com destino a Lima. Devido ao fuso horário + o horário de verão, chegamos por volta de 13h em Lima (horário local). Nesse trajeto quase não conseguimos chegar para o embarque seguinte, pois sobrevoamos por SP em torno de uma hora até conseguir liberação para pousar. Imagina o sufoco! (Oi vó, dei uma voltinha em São Paulo e voltei pra Bh)

No aeroporto Internacional Jorge Chaves pegamos um dos taxis credenciados que ficam por lá quase te assassinando pra você ir com eles, pagamos S/.60 (sessenta soles) pela corrida ( preço tabelado) mas, ficamos sabendo que do lado de fora do aeroporto você consegue corridas com preços mais em conta, só não tivemos coragem de arriscar. (DICA: Já leve um pouco de dinheiro peruano, pois o câmbio no aeroporto é caríssimo). 


Ao chegarmos já resolvemos partir direto pro almoço. Nos hospedamos no bairro badalado de Miraflores, para ficarmos bem no "centro de tudo" e, a caminho do albergue, conversando com o taxista que nos transportava, muito gente fina por sinal, conseguimos a indicação de um um bom restaurante para iniciarmos os trabalhos turísticos na região, ele por sua vez nos indicou o restaurante Punto Azul para alimentação, e pra mim foi o melhor restaurante da cidade. O ceviche é perfeito, tão perfeito que tivemos que voltar mais uma vez para termos certeza de tal sabor.

Depois, com o 'pandu' cheio, resolvemos passear pela cidade e conhecer alguns pontos turísticos próximos ao hostel que estávamos hospedados, Che Lagarto.


Shopping Larcomar                              Plaza del Amor                                     Praia de Lima



À noite fomos ao Circuito Mágico das Águas, que é o maior parque público com fontes de águas dançantes do mundo. Com apresentações musicais e malabarismos aquáticos com hologramas, nos admiramos com as àguas cantantes e dançantes à todo momento. É um lugar bem romântico, mas falta comida, quase morri de fome enquanto passeávamos. 











Na manhã seguinte resolvemos passear pela cidade, o jeito mais tranquilo de andar por Lima é de táxi, mas como não existe taxímetro, o negócio é pechinchar mesmo. Existe táxi de tudo quanto é jeito, carro velho, carro novo, carro caindo aos pedaços, se bobear até carregando você à pé ele dão um jeito e te levam e, quanto mais velho o carro mais barato pode sair a corrida, então se você não ligar pra conforto vai de velharia mesmo. 

 Plaza de Armas                                          Plaza de Armas                       Plaza San Martin
   

A Praça de Armas é maravilhosa, é a praça principal da cidade, lá você poderá ver alguns edifícios da época colonial. Entre eles estão a impressionante Catedral de Lima, onde Pizarro está enterrado e os palácios presidenciais e municipais. Todos os imóveis da cidade estão conservadíssimos e prontos para atender os visitantes, à maioria, senão todos os museus tem  guias que falam inglês e espanhol. Ficam policiais vigiando entorno da praça e proibindo que qualquer ambulante atormente os visitantes, o que é uma benção, na minha humilde opinião, uma vez que você pode admirar a paisagem sem ninguém tentando vender um colar vagabundo com preço de joia rara (trecho baseado em fatos reais).

Todos os museus são pagos, até mesmo as igrejas cobram dos visitantes um valor para a entrada. É o preço que se paga por todas as vantagens citadas à cima.


Lima é uma cidade constantemente nublada, mas não chove, o que foi muito bom, pois no Brasil estava um calor infernal enquanto o clima da cidade é bem ameno durante o dia e um pouco frio no período da noite. Mas, durante essa viagem uma coisa me espantou muito, desde que chegamos, o trânsito barulhento, uma buzinação 24h por dia, sem limite. Você pode sair a hora que for que sempre existirá uma maluco no pedaço que precisa buzinar, mesmo sendo as 3h da madrugada eles buzinam para qualquer coisa. Respirou, tá buzinando. Estava ficando louca com tanta buzina, para ter uma ideia, o taxista buzina quando passa por você, lhe chamando para que você entre no táxi. 

Andamos bastante pelo centro histórico, conhecemos também outros pontos turísticos como: a Praça de San Martin, Palácio de Torre Tagleo Palácio de Justiça de Lima, a Catedral de Lima. 

No final do dia encontramos uma galeria conhecida como Centro Artesanal "La Casona" de Santo Domingo perto do convento de Santo Domingo (Endereço: Jirón Conde de Superunda 239). Um ótimo local para fazer as compras da viagem. Vale dizer que a maioria dos comerciantes só aceitam dinheiro, mesmo estando com a bandeira da visa pendurada dentro da loja, mas os preços são muito mais em conta do que em outros lugares que passamos. Vale muito à pena conferir! 
Só não façam como eu, comprei no meio do dia e tive que ficar carregando a sacola durante os passeios.

Mais uma dica: Sempre pesquise. SEMPRE!!!! Eu paguei o preço de não pesquisar, literalmente. Comprei um bolsa por S/.30, depois encontrei a mesma bolsa por S/.6 nessa galeria, logo em frente. 


Museu Italiano de Lima e Palácio de Justiça

No terceiro dia fizemos um passeio pelas ruínas de Huaca Pucllana, acreditem se quiser, essas ruínas ficam no meio do bairro de Miraflores. O sítio arqueológico compreendido em 150mil m² e que está aberto ao público de quarta a segunda de 9 às 17h.  
                                                           
                                                          Huaca Pucllana   




O passeio custa cerca de S/.10 com um guia explicando cada detalhe da vida naquele território. É incrível! Além disso, se lhe ocorrer uma fome, você pode almoçar no Restaurant Huaca Pucllana, dentro do parque arqueológico de frente para as ruínas. O ambiente é sofisticado e os preços bem altos. Mas para quem tiver com uma folguinha no orçamento, vale a pena provar uma boa comida peruana com uma linda vista. Eu, naquele momento não estava ostentando muito então resolvi procurar um restaurante mas dentro das minhas condições.

E, se você estiver com tempo sobrando pode passear pelo Mercado Central da cidade, é muito bacana e assustador, misturando de tudo que existe na Terra. De frango morto à roupas para casamento.


Mercado de Lima


Pra mim, nessa viagem, o que mais gostei na culinária peruana foi o ceviche, ficamos cinco dias e eu consegui comer todos os dias. A média do prato de S/.30, por pessoa, além da bebida. E, não consegui enjoar. 



No quarto dia, tivemos um passeio pelo Museu Larco. Na minha opinião, esse passeio é OBRIGATÓRIO por alguns motivos:

Para quem quer conhecer um pouco da história Inca. Esse museu possui um acervo com mais de 45 mil peças catalogadas, ilustrando um pouco dessa cultura tão diferente da nossa. E você tem acesso à peças não expostas também que estão no deposito.



É um museu lindíssimo, desde a entrada, além disso não é nenhum pouco chato, pois você vai compreender muita coisa e se ainda não tiver começado a passear pelas ruínas sua viagem vai fazer muita mais sentido depois que passar por lá.

                                                               Museu Larco  


Além da esculturas eróticas que são incríveis. Vamos lá, quem não gosta de uma putaria que atire a primeira pedra...
                                                               Museu Larco


Outro passeio obritatório é o Convento de San Francisco. Perto da praça principal da cidade (já mencionada acima). Perto da praça está o Convento de San Francisco, você vai reconhecê-lo pela linda fachada amarela e pelo bando de pombos no lado de fora.. 


A arquitetura interior é admirável e ele tem um bom número de exposições que exibem obras de arte do período colonial. Outro elemento fascinante do convento para os amantes do livros é a biblioteca. 

  

Ela possui cerca de 25.000 livros antigos, alguns dos quais datam de antes da conquista espanhola do Peru. Mas isso não é tudo, o verdadeiro destaque é a visita às catacumbas, o primeiro cemitério de Lima. 

As catacumbas foram usadas ​​até a criação do primeiro cemitério fora de Lima, em 1808. Antes disso às pessoas eram sepultadas em baixo da igreja. As estimativas quanto ao número corpos presentes é por volta de 70.000, mas não sabe -se ao certo uma vez que começaram a usar cal para decompor rapidamente os corpos e guardar apenas os ossos, sem o caixão. 

Também dizem que existiam passagens secretas, que conectam as catacumbas da catedral com o Tribunal da Inquisição.  Mas, infelizmente, elas não estão incluídas no preço do ingresso. 


No entanto, a entrada inclui uma visita guiada, para que você não precise se preocupar em perder cada detalhe dessa visita. Para aqueles que acham a ideia de caminhar entre ossos velhos por corredores escuros por debaixo de uma estrutura construída há um pouco mais de 450 anos macabra, há um pátio e uma linda área de jardim, onde você pode sentar e relaxar enquanto espera o resto do seu grupo. Mas acho que vale muito à pena esse passeio. Fica a dica!




Finalizando..


Durante essa viagem vivi de alguns momentos marcantes que eu preciso ressaltar: as bebidas, principalmente a Coca-Cola, elas são servidas, na grande maioria das vezes, em temperatura ambiente. Eu, que nasci na terra da Coca gelada com gelo e limão que ainda gritava: "Pega a mais gelada, trincando!" quase morri de tanto desejar uma coquinha gelada no almoço. 

Imagine, você morrendo e sede e com calor e vem aquela coca morna, tirada do armário, ou quando vinha um pouco mais gelada a garçonete vinha passando a mão para transferir calor ao produto. Nesse momento batia a recaída e comíamos em um local conhecido.

Fui muito bem atendida em todos os lugares, e tentei conhecer de tudo um pouco, mas confesso que meu estômago não agradou muito em alguns momentos. Tanto eu, quanto o Tiago passamos mal ao longo da viagem, mas acredito que devido à altitude também, de qualquer forma voltaria lá quantas vezes meu orçamento participativo permitir.

Experimentei a Inka Kola, o pisco sour , a cerveja cusquenha e até um sanduíche árabe vendido no supermercado. Além de outras comidinhas que vou falar na outra postagem.



De qualquer forma, se você tem um dia em Lima, o que fazer:

  • Museu Larco
  • Plaza Mayor ou Plaza das Armas
  • Plaza de San Martin
  • Convento San Francisco
  • Huaca Pucllana
  • Parque do Amor
  • Shopping Larcomar
  • Calle das Pizzas - barzinhos de Miraflores
Para comprar as lembrancinhas você pode ir nas feirinhas de Miraflores ou "La Casona" que eu citei acima (Perto do Convento San Francisco)  que tem os preços melhores.


                                                               Shopping Larcomar


E se sobrar tempo e dinheiro, à noite saia para jantar no estrelado Gastón & Astrid, no chique e caro Central, no descolado Pescados Capitales ou já para o Picas, barzinho muito legal no Barranco.
                                                               Calle das Pizzas

(Texto aguardando a revisão de Tiago Soares - Eu sei que isso nunca irá acontecer)